2012 in review

the rest

The WordPress.com stats helper monkeys prepared a 2012 annual report for this blog.

Here’s an excerpt:

600 people reached the top of Mt. Everest in 2012. This blog got about 2,100 views in 2012. If every person who reached the top of Mt. Everest viewed this blog, it would have taken 4 years to get that many views.

Click here to see the complete report.

Advertisements

some sound sharings from the future #1

sound sharings

The first three sound sharings of the following set were collected during the future event with the theimpermanenceproject character on June 23rd 2012. The other three were recorded on July 18th and 19th 2012 during the visit of the Maribor 2012 team to Guimarães.

To-be Bench note

the rest

It seems the To-be Bench published something!

For the ones who doesn’t have facebook:

“Hi fellows this was my first conversation here 🙂 What do you think?

To-be Bench | tás a falar comigo, sou o To-be Bench. és humano?

Being1 | tem dias

To-be Bench | que criatura és nos dias restantes?

Being1 | quando fico com humores penso:”estou a ficar humano!” uma imagem, um reflexo das várias criaturas que cruzam no meu caminho, e tu és humanóide?

To-be Bench | eu sou um banco, falo 3 línguas, ouço as pessoas quando elas falam, mas gostava que falassem mais comigo

Being1 | aborvo as línguas, para além de falarem entre elas claro. absorvo*

To-be Bench | absorves? como assim?

Being1 | o som

To-be Bench | absorves o som das pessoas

Being1 | perde-se na minha superfície espelhada. (ok! eu bebi ao jantar;) e tu?) lol

To-be Bench | és um espelho grande nuns dias e nos outros humano? eu não

Being1 | sim

To-be Bench | não como nem bebo

Being1 | espelho durante o dia

To-be Bench | às vezes molho-me quando chove

Being1 | humano durante a noite

To-be Bench | tb me queimo quando o sol aperta

Being1 | imagino

To-be Bench | bem bom

Being1 | preferes o sol ou a chuva?

To-be Bench | nem um nem outro, prefiro o clima ameno, mais a primavera e o outono

Being1 | hum, em que época tens melhores conversas?

To-be Bench | é que não me posso mexer, não me posso esconder nem do sol nem da chuva

Being1 | pois nao… és como as árvores… tens raízes? crias raízes? tens amigos?

To-be Bench | não sei bem ao certo. passei a ter mais companhia agora que o parque foi renovado. já ouvi muita coisa, mas acho que as melhores conversas foram o silêncio de satisfação que alguns me oferecem, simplesmente por estarem sentados. raízes numa perspectiva metafórica sim, numa perspectiva física tenho pregos que me prendem ao chão.

Being1 | figuras de estilo sempre se ajustam às conversas criativas

To-be Bench | devo ter alguns, mas não são muitos. a maioria dos meus contactos com os humanos é efémera. poucos são aqueles com os quais mantenho relações perenes. aqui no fb é diferente, posso manter contacto com as pessoas, mesmo que elas estejam longe. “figuras de estilo sempre se ajustam às conversas criativas” -> claro. e tu? qual foi o reflexo que mais gostaste? daqueles que captas todos os dias?

Being1 | o reflexo do céu na chegada do Outono é silencioso

To-be Bench | é o teu preferido? gostas mais dos reflexos silenciosos, ou dos completos: com imagem e som? ou dos só com imagem, ou dos só com som?

Being1 | tenho momentos em que o silêncio me transporta para uma dimensão desconhecida. é bom, mas ao mesmo tempo assustador

To-be Bench | porquê?

Being1 | imenso, profundo, perco-me nesse mar, e depois, por vezes é difícil regressar

To-be Bench | acho que consegues! e é bom. já me habituei ao silêncio. a maioria dos meus dias são passados assim. embora esteja sempre rodeado pelos meus irmãos, pelas árvores, pelos transeuntes, mas quando alguém se senta é diferente. esse momento é mágico

Being1 | imagino que sim

To-be Bench | como é que fazes para regressar?

Being1 | mas como sentes esse alguém? confesso que são os ruídos q me fazem voltar

To-be Bench | sinto-me conectado com essa(s) pessoa(s) sem a(s) conhecer à priori, e sem que tenha(m) de falar ^^

Being1 | um pontapé numa lata na calçada, uma garrafa q se parte no chão

To-be Bench | acho que é o toque. sim esses pequenos/grandes sons têm poderes insondáveis. eles preenchem o silêncio que povoa a minha vida.

Being1 | sao esses, um choro, um gemido d gato, uma gargalhada, sao raras

To-be Bench | como te chamas? tens nome?

Being1 | nunca pensei nisso, acho q nao, nao sei ^^

To-be Bench | vou ter de ir espelho-humano, está alguém a chegar = metamorfose virtual para real. pode ficar esse? se calhar nem precisas, és um ser.

Being1 | sim um ser que sente, que existe

To-be Bench | e que pensa. até outro dia!

Being1 | boas conversas

To-be Bench | bons regressos”

opinions about the project #2

opinions

09 | anonymous | “Está mesmo muito bom, muito trabalhinho deves ter tido para fazer tudo isso.

Todos esses diálogos estão muito fixes, talvez pelo facto de serem genuínos, e de repente um simples banco de jardim tem muito que se lhe diga. Parabéns!”

10 | anonymous | “Gostei da escolha do banco de jardim. Num banco as pessoas estão sempre à espera de alguma coisa, portanto com tempo para divagar sobre o passado, o presente ou o futuro. Hoje em dia é difícil encontrar um objecto que possibilite isso.

Nas cidades as pessoas estão sempre com pressa para chegar a algum lugar. Sem tempo para parar e pensar.

Costumava sentar-me no banco da Praça da República aqui no Porto e observar os velhinhos a jogar cartas. Era como se o tempo parasse e voltasse atrás 50 anos.

11 | anonymous | “Queres ouvir histórias de quem se senta nos bancos desse parque em Guimarães. Pretendes incentivar as pessoas ao diálogo entre as gerações? No fundo pretendes promover tertúlias comunitárias.”

12 | anonymous | “Tens uma fixação com bancos de jardim da qual resultam múltiplas personalidades, traduzida através de várias contas facebook. Parece-me que o conceito é o objecto enquanto testemunha de experiências, o som é “só” o canal pelo qual a experiência é partilhada.”

13 | anonymous | “Amei o video no parque. O teu projeto está muito interessante.”

14 | anonymous | “Gosto muito do projeto…sinto saudades de Portugal. As fotos são muito boas e os vídeos também, gostei muito do teu vídeo no parque. Acho muito interessante a opinião do povo, o quotidiano e as partilhas. Por mais que hajam notícias que ilustrem o que acontece no mundo, a partilha de experiências dos que nele habitam, dão cor e sentimento à realidade preta e branca que nos é mostrada. Gostei muito da iniciativa!”

15 | anonymous | É um projeto que se baseia no som, como forma de partilha e comunicação, de que maneira se pode comunicar, que tipos de sons se consegue obter conjugando uma série de factores e/ou objectos, que tipo de “informação” se partilha através dos sons, com a experiência no banco de jardim a ser muito boa, pois funciona como uma “fronteira” onde chega e sai muita informação genuína, sem rodeios, das coisas mais básicas a mais elaboradas. Acho bastante interessante o conceito da maneira que é abordado, principalmente a parte do banco de jardim, provavelmente ao fim de umas gravações encontras um padrão de pessoas diferente que fosse num café, ou numa paragem de autocarros, e se calhar também se encontra um padrão nos sentimentos que as pessoas empregam nas conversas nesses sítios (por exemplo as conversas em paragens de autocarros são sempre mais depressivas, no meu entender).

16 | anonymous | Gostei muitíssimo! Principalmente aquele em que tu apareces com a interação do presente (futuro) relacionado com o passado! Com o “get involved” deu para perceberes como as pessoas são curiosas e como é difícil envolvê-las em novas experiências… Parabéns!

opinions about the project #1

opinions

01 | anonymous | “It’s creative.”

02 | anonymous | “It’s pretty cool, always nice to hear what people have to say.”

03 | anonymous | “Your work is totally new and give a new contribution also. You should record my voice also. I have a lot of experience here. Love Portugal so much.”

04 | anonymous | “Something conceptually strong. Artistic and very promising work.”

05 | anonymous | “Parabéns pela iniciativa, achei-a muito criativa.”

06 | anonymous | “Denota-se a sincronização entre o passado, o presente e o futuro. Também existe a surpresa física de ter lá alguma coisa a reproduzir.”

07 | anonymous | “Parece-me muito interessante. Estás a pensar intervir em mais espaços? Se precisares de ajuda para trazer o teu projecto cá abaixo apita.”

08 | anonymous | “É uma espécie de partilha temporal nas ‘dimensões’ (passado, presente e futuro), a parte criativa está no objecto utilizado como regulador dessas partilhas. Também me parece que o objecto físico (banco) desperta a curiosidade no receptor e interliga-se perfeitamente com as pessoas, e as suas passagens da vida, momentos, ou até outras perspectivas futuras. Para além de que para os mais curiosos e despertos pela arte, promove novas ideias, e possivelmente para alguns fornece a entrada numa espécie de ‘filosofia’ interna e própria das suas vidas.

A ideia do banco enquanto ser virtual é perfeitamente conseguida. Além disso o teu projecto permitiu que reflectisse sobre outras formas de arte, com igual valor e força de expansão na actualidade. Para mim que não penso diariamente neste tipo de trabalhos digamos que foi inspirador…

Também me fez lembrar da necessidade que o ser humano tem em organizar a informação e criar uma estrutura própria.”

 

future event with theimpermanenceproject character #1 video

experiences

This event was done to collect some sharings from the future on June 23rd. It happened in the urban woods in Guimarães (Portugal) and it started at 3h30pm and ended at 5h30pm.

Although this event was about the future, by this video it seems it already belongs to the past. Where are the boundaries between times? Do they actually exist?

Acknowledgments: anonymous contributor #1